Noticias

03/09/2014

SITE CÂMARA- CCJ realizará audiência para debater criação do Parque do Minhocão

CCJ-03-09-2014-FRANCA-08100-72ABRE
Reunião da CCJ realizada no auditório Prestes Maia nesta quarta-feira          Foto: Luiz França / CMSP

DA REDAÇÃO

Projeto de Lei (PL) 10/2014, que estabelece a criação do “Parque Municipal do Minhocão” e prevê a desativação gradativa do Elevado Costa e Silva, será tema de audiência pública na próxima terça-feira (9/9), às 19h, na Sala Tiradentes da Câmara Municipal, de acordo com encaminhamento dos vereadores que participaram da reunião da CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa), realizada nesta quarta-feira (3/9).

“Eu e alguns vereadores da Casa somos autores desse projeto que visa transformar o Minhocão (Elevado Costa e Silva) em um parque.  Embora já tenhamos aprovado isso no Plano Diretor, falta aprovar esse projeto que está apresentado aqui na Câmara”, comentou o vereador Goulart (PSD), presidente da Comissão.  Além dele, também são proponentes do projeto os parlamentares Ricardo Young (PV), Nabil Bonduki (PT), Natalini (PV), José Police Neto (PSDB), Floriano Pesaro (PSDB) e Toninho Vespoli (PSOL).

O texto prevê que a instalação do Parque do Minhocão seja feita de acordo com o aumento da restrição de tráfego, até a completa desativação do Elevado Costa e Silva como via de trânsito.

O Minhocão, como ficou conhecido, existe há 43 anos e atualmente já é fechado ao trânsito de veículos durante a semana das 21h30 às 6h30 e aos domingos e feriados.

Melhorias na Avenida Santo Amaro
A CCJ também convocou audiência pública para a próxima quarta-feira (10/9), às 10h, para discutir o Projeto de Lei (PL) 377/2014, de autoria do Executivo. O texto indica melhoramentos públicos na Avenida Santo Amaro, desde a Avenida Presidente Juscelino Kubitschek até a Avenida dos Bandeirantes, previstos na Lei 14.193, de 25 de agosto de 2006.

“O Executivo pretende estender a operação urbana Faria Lima até a avenida Santo Amaro, porque desde a concepção do corredor desta avenida vários comércios e imóveis daquela região foram desvalorizados”, explicou Goulart.