Artigos

02/12/2015

43 anos do atentado de Munique. Não podemos nos esquecer!

Munique

Munique. 1972. Há exatamente quarenta e três anos, oito terroristas c onseguiram entrar na Vila Olímpica onde dormiam tranquilamente os atletas israelenses, matando dois e fazendo outros nove de reféns. A organização Setembro Negro, que reivindicou o massacre, exigia a libertação de 234 detentos palestinos presos em Israel. Também pediram a soltura de dois alemães, membros da Fração do Exército Vermelho. A atrocidade deste ataque foi impensável, pois eles castraram os atletas mortos e amarraram de forma cruel os outros nove reféns. A Alemanha conseguiu ser desastrada desde o início da operação, com um sistema de segurança absolutamente falho para um evento olímpico e, na sequência, com uma tentativa de resgaste totalmente infeliz, onde cinco terroristas e os nove reféns, integrantes da equipe israelense, foram mortos. Numa olímpiada, lugar de congraçamento de todos os povos através do esporte, comprovamos até onde pode ir a perversidade do universo terrorista. Estes atletas inocentes foram exterminados pela simples razão de serem israelenses e judeus. Nossa resposta é a lembrança. Devemos a cada ano homenagear a memória destes corajosos atletas, heróis incontestes. Aqui estão minhas palavras para que vocês possam também honrar estes onze israelenses nesta data triste para o esporte mundial e para Israel.