Discursos

25/03/2013

50 ANOS DA SÍNDROME DE DOWN

Sr. Presidente, muito obrigado. Nobres Vereadores, amigos da TV Câmara São Paulo.

Quero aproveitar este espaço para parabenizar a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência pelo belíssimo evento realizado neste final de semana em comemoração aos 50 anos da Descoberta da Trissomia do Cromossomo 21, a Síndrome de Down.

Estima-se que no Brasil existam 300 mil pessoas com Down – 30 mil só em São Paulo.

Com o nome – Simpósio: Síndrome de Down – cinqüentenário da trissomia do 21-, a Secretaria reuniu no sábado e no domingo no Memorial da América Latina dezenas de pessoas para participar de palestras, debates e assistir a apresentações teatrais.

A Fernanda Rodrigues, que trabalha comigo, foi uma das palestrantes e também atriz na peça “A Vida é Sonho”, do grupo teatral da ADID, onde ela estuda. A ADID é a Associação para o Desenvolvimento Integral do Down.

No meu gabinete, Fernanda cuida do protocolo de documentos, cadastro do banco de dados e arquivamento de notícias.

Entre os palestrantes do simpósio estavam:
- Claudia Grabois (presidente da Federação Brasileira de Associações de Síndrome de Down)
- Ana Lúcia Mamed Kehdi, presidente da Associação das Voluntárias do Hospital Darcy Vargas
- Eugênia Augusta Fávero, Promotora Pública da República
- além de psicólogos, assistentes sociais, sociólogas e pessoas com Síndrome de Down.

A comemoração pelos 50 anos da Descoberta da Síndrome de Down também foi pauta de sessão solene nesta Casa na quinta-feira à noite. Fernandinha e outras mulheres com down deram o seu depoimento.

Outra notícia boa é que crianças e adolescentes com Síndrome de Down que moram no Estado de São Paulo passaram a ter acesso ao calendário de vacinação diferenciado, com vacinas que não estão disponíveis na rede pública. A iniciativa – da Secretaria da Saúde e da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência – é INÉDITA NO PAÍS como política pública

O objetivo é fortalecer a saúde dessas crianças, que têm o sistema imunológico menos resistente. Elas são mais suscetíveis a algumas viroses e bactérias.

O calendário diferenciado inclui 7 vacinas especiais, entre elas contra catapora, gripe e pneumonia.

Iniciativas assim são um sucesso para um tema que precisa ser debatido sempre e levado a sério nas políticas públicas.

Muito obrigado.